Mecanismos de Governança Corporativa nos Diferentes Ciclos de Vida de Cooperativas Agropecuárias do Sul do Brasil

Antonio Maria da Silva Carpes, Paulo Roberto da Cunha

Abstract


O estudo objetiva analisar a relação entre os Mecanismos de Governança Corporativa e os estágios de ciclo de vida organizacional das cooperativas (CVO) agropecuárias localizadas na região Sul do Brasil. A pesquisa foi conduzida a luz da teoria da agência, como base teórica. O estudo foi desenvolvido a partir de uma pesquisa descritiva, realizada por meio de levantamento ou survey. A amostra foi composta por 129 cooperativas agropecuárias, com sede nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. A coleta de dados foi realizada por intermédio de questionário contendo 81 questões distribuídas em três blocos. Quanto a abordagem do problema de pesquisa, o estudo é predominantemente quantitativo.  Os mecanismos de governança corporativa (MGC) foram determinados a luz das orientações emanadas pelo Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC) e compreenderam: a participação dos cooperados, conselho de administração, diretoria executiva, auditoria e conselho fiscal. Os CVO foram determinados à luz da teoria de Miller e Friesen (1984): nascimento, crescimento, maturidade, rejuvenescimento e declínio. No procedimento de análise de dados, foram utilizadas a análise descritiva, a aplicação do Technique for Order Preference by Similarity to Ideal Solution (TOPSIS) e a regressão logística multinomial. Os achados da pesquisa comprovam um desenvolvimento dos mecanismos de governança corporativa, participação dos cooperados e conselho de administração, nas fases iniciais e seu enfraquecimento a partir do estágio de maturidade. Embora, os resultados estejam limitados a partir do nível de significância estatística, os demais mecanismos possuem uma importante participação dentro da estrutura de governança corporativa das cooperativas.


Keywords


Mecanismos de governança corporativa, Ciclo de vida organizacional, Teoria da agência.

References


Albaum, G. (1997). The Likert scale revisited: an alternate version. Journal of the Market Research Society, 39(2), 331-332.

Andrade, A., & Rossetti; J.P. (2012). Governança corporativa: fundamentos, desenvolvimento e tendências. Atlas, 2012.

Assunção, R. R., De Luca, M. M. M., Vasconcelos, A. C., & Rebouças, S. M. D. P. (2014). Complexidade organizacional e Governança Corporativa nas maiores companhias abertas do Brasil. Enfoque: Reflexão Contábil, 33(1),105-122. DOI: http://dx.doi.org/10.4025/enfoque.v33i1.21777

Bhuyan, S. (2007). The people factor in cooperatives: an analysis of members’attitudes and behavior. Canadian Journal of Agricultural Economics/Revuecanadienne d’agroeconomie,55(3), 275-298. DOI: 10.1111/j.1744-7976.2007.00092.x

Bialoskorski Neto, S. (2007). Um ensaio sobre desempenho econômico e participação em cooperativas agropecuárias. Revista de Economia e Sociologia Rural, 45(1), 119-138.DOI:http://dx.doi.org/10.1590/S0103-20032007000100006

Bielik, M. (2004). Organizational change in the Australian grain industry: a cooperative life cycle approach. Doctoral dissertation, University of Manitoba, Winnipeg, Canadá.

Carvalho, A. G. (2002). Governança corporativa no Brasil em perspectiva. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, 37(3), 2002.

Certo, S. T., Covin, J. G., Daily, C. M., & Dalton, D. R. (2001). Wealth and the effects of founder management among IPO-stage new ventures. Strategic management journal, 22(6‐7), 641-658.DOI:10.1002/smj.182.

Cook, M. L. (1995). The future of US agricultural cooperatives: a neo-institutional approach. American Journal of Agricultural Economics, 77(5), 1153-1159.

Cornforth, C. (2004). The governance of cooperatives and mutual associations: a paradox perspective. Annals of Public and Cooperative Economics,75(1), 11-32. DOI:10.1111/j.1467-8292.2004.00241.x

Costa, D. R. M. (2010). Propriedade e decisões de gestão em organizações cooperativas agropecuárias brasileiras. Tese de Doutorado, Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, SP, Brasil.

Crúzio, H. D. O. (1999). Por que as cooperativas agropecuárias e agroindustriais brasileiras estão falindo?. Revista de Administração de Empresas, 39(2), 18-26.

Dart, R., Bradshaw, P., Murray, V., & Wolpin, J. (1996). Boards of directors in nonprofit organizations do they follow a life-cycle model?. Nonprofit Management and Leadership, 6(4), 367-379. DOI: 10.1002/nml.4130060406

Eisenhardt, K. M. (1989). Building theories from case study research. Academy of management review, 14(4), 532-550.

Fama, E. F., & Jensen, M. C. (1983). Agency problems and residual claims. The journal of law & Economics, 26(2), 327-349.DOI: https://doi.org/10.1086/467038

Fávero, L. P., Belfiore, P, Silva, F. L., Chan, Betty Lilian (2009). Análise de dados – Modelagem multivariada para tomada de decisões. Rio de Janeiro: Elsevier.

Filatotchev, I., Toms, S., & Wright, M. (2006). The firm’s strategic dynamics and corporate governance life-cycle. International Journal of Managerial Finance, 2(4), 256-279.DOI: https://doi.org/10.1108/17439130610705481

Fontes Filho, J. R., Ventura, E. C. F., &Marucci, J. C. (jan./jun. 2014).Os múltiplos papéis do conselho de administração nas cooperativas de crédito. Ciências em Debate, 1(1), 101-124.

Goodman, J. D. (1994). It’s a matter of governance: the angry members may be right. Management Quarterly, 35(1), 2-5.

Greiner, L. E. (1972). Evolution and revolution as organizations grow. Harvard Business Review, 50 (4), 37-46.

Hölmstrom, B. (1979). Moral hazard and observability. The Bell journal of economics, 10 (4-29). DOI: 10.2307/3003320

IBGC [Instituto Brasileiro de Governança Corporativa] (2015). Código das Melhores Práticas de Governança para Cooperativas. Recuperado de http://www.ibgc.org.br/userfiles/2014/files/Publicacoes/GUIA_DAS_MELHORES_PRATICAS_DE_GOVERNANCA_PARA_COOPERATIVAS.pdf

Jacksén, D., & Pettersen, A. K. (2012). An evolutionary perspective on corporate governance applying firm life cycle theory. Master Thesis in Accounting & Financial Management Fall, Stockholm School of Economics, Department of Accounting, Stockholm, Suécia.

Jensen, M. C., & Meckling, W. H. (1976). Theory of the firm: managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of financial economics, 3(4), 305-360. DOI: https://doi.org/10.1016/0304-405X(76)90026-X

Lester, D. L., Parnell, J. A., & Carraher, S. (2003). Organizational life cycle: a five-stage empirical scale. The International Journal of Organizational Analysis, 11(4), 339-354. DOI: https://doi.org/10.1108/eb028979

Miller, D. (1986). Configurations of strategy and structure: towards a synthesis. Strategic management journal, 7(3), 233-249. DOI:10.1002/smj.4250070305

Miller, D., & Friesen, P. H. (1984). A longitudinal study of the corporate life cycle. Management science, 30(10), 1161-1183.

Necyk, G. A., & Frezatti, F. (2010). A Contabilidade Gerencial: uma perspectiva de ciclo de vida de seu desenvolvimento nas organizações. Organizações & Sociedade, 17(55).

Pies, M. P., Baggio, D. K., & Carmo Romeiro, M.do (2017). Participação dos associados: um pilar estratégico de governança do cooperativismo. Revista de AdministraçãoIMED,6(2), 221-236. DOI: 10.18256/2237-7956/raimed.v6n2p221-236

Pozzobon, D. M., & Zylbersztajn, D. (2012). Democratic costs in member-controlled organizations. Agribusiness, 29(1), 112-132. DOI: 10.1002/agr.21324

Punsuvo, F. R., Kayo, E. K., & Campos Barros, L. A. B. de (2007). O ativismo dos fundos de pensão e a qualidade da governança corporativa. Revista Contabilidade & Finanças, 18(45), 63-72.

Quinn, R. E., & Cameron, K. (1983). Organizational life cycles and shifting criteria of effectiveness: some preliminary evidence. Management science, 29(1), 33-51. DOI: https://doi.org/10.1287/mnsc.29.1.33

Rediker, K. J., & Seth, A. (1995). Boards of directors and substitution effects of alternative governance mechanisms. Strategic Management Journal, 16(2), 85-99. DOI: 10.1002/smj.4250160202

Santos, S. D. (2016). Práticas de governança e desempenho financeiro em cooperativas de crédito. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo. DOI:10.11606/D.12.2016.tde-12082016-121333.

Sistema OCB (2017). Agenda Institucional do Cooperativismo - 2017. Recuperado de http://www.somoscooperativismo.coop.br/arquivos/Publicacoes/agenda_institucional.pdf.

Shleifer, A., & Vishny, R. W. (1997). A survey of corporate governance. The Journal of Finance, 52(2), 737-783. DOI: 10.1111/j.1540-6261.1997.tb04820.x

Silva, R. F., Souza, A., & Silva, W. (2015). Governança corporativa em cooperativas agropecuárias: um modelo de classificação com aplicação da ferramenta walk. Race: Revista de Administração, Contabilidade e Economia, 14(1), 313-322. DOI: dx.doi.org/10.18593/race.v14i1.5815

Silva, S. S., de Sousa, A. R., & Leite, E. T. (2011). Conflito de agência em organizações cooperativas: um ensaio teórico. Organizações Rurais & Agroindustriais, 13(1).

Singer, P. I., & de Souza, A. R. (Eds.). (2000). A economia solidária no Brasil: a autogestão como resposta ao desemprego. São Paulo: Contexto.

Siqueira, L. C., & Neto, S. B. (2014). Práticas de governança corporativa indicadas para monitoramento: uma análise do nível de adoção em cooperativas agropecuárias. REGE – Revista de Gestão, 21(1), 43-63. DOI: 10.5700/rege518

Staatz, J. M. (1987). Recent developments in the theory of agricultural cooperation. Journal of Agricultural Cooperation, 2(20), 74-95.

Watts, R. L., & Zimmerman, J. L. (1983). Agency problems, auditing, and the theory of the firm: some evidence. The Journal of Law & Economics, 26(3), 613-633.

Zaman, M., Hudaib, M., & Haniffa, R. (2011). Corporate governance quality, audit fees and non-audit services fees. Journal of Business Finance & Accounting, 38(1-2). DOI: 165-197. DOI:10.1111/j.1468-5957.2010.02224.x

Zylbersztajn, D. (1994). Organização de cooperativas: desafios e tendências. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, 29(3).




DOI: http://dx.doi.org/10.51341/1984-3925_2018v21n1a5

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


e-ISSN: 1984-3925

Licença Creative Commons
The JAMG adopts the Creative Commons license CC-BY-NC ND Creative Commons Attribution 4.0 

Indexing and Abstracting:

Logotipo SPELLLogotipo LATINDEX Logotipo OPENAIRE Logotipo DOAJLogotipo Cengage Logotipo EBSCOLogotipo REDIB Logotipo ESCI