Suporte Social e Estresse no Trabalho: Uma Análise com Métodos Mistos

Autores

  • Vânia Lúcia Pereira de Andrade Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora
  • Amalia Raquel Pérez-Nebra UniCEUB - Centro Universitário de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.51341/1984-3925_2017v20n3a7

Palavras-chave:

suporte social, suporte organizacional, estresse, coping, métodos mistos.

Resumo

Estresse ocupacional e estratégias de enfrentamento (coping) ganham espaço em investigações por seu caráter aplicado. O objetivo desta pesquisa foi investigar como o suporte social contribui para as pessoas lidarem com situações estressantes no ambiente de trabalho. Para atingir esse objetivo foi realizada uma pesquisa com métodos mistos e delineamento exploratório embutido. O Estudo 1, quantitativo, descreveu o grau de satisfação com o suporte social e suporte organizacional utilizando-se uma escala que resumiu fatores de percepção do suporte organizacional. O Estudo 2, qualitativo, buscou descrever estressores, fontes e tipos de suporte social percebido no ambiente de trabalho. Utilizou-se um roteiro de entrevista em grupo baseado nas dimensões deste construto. Participaram 51 trabalhadores voluntários. Utilizou-se o modelo de Lazarus e Folkman (1984). Os resultados remeteram a estressores associados à falta de suporte social no trabalho: incivilidade de colegas e gestores; quebra de contrato psicológico e conflito de valores. Investimentos em desenvolvimento de pessoas que estimulem a urbanidade nas organizações e um espaço de escuta para colaboradores são sugestões de ações que podem beneficiar dimensões afetivas no trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vânia Lúcia Pereira de Andrade, Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora

Graduada em Psicologia pela FUNREI - Fundação de Ensino Superior de São João Del Rei, MG, atual UFSJ (1989). Mestre em Psicologia pelo UniCEUB, Centro Universitário de Brasília (2014); Especialista em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações pela UnB, Universidade de Brasília (2008) e em “Psicoterapia de Grupo Analítica” pela Sociedade Brasileira de Psicoterapia Dinâmica de Grupo e Psicodrama, SOBRAP  (Membro da International Association of Group Psychotherapy), Regional de Juiz de Fora, MG (1993). Exerce atividades docentes desde 2000. Lecionou disciplinas relativas à área de Gestão de Pessoas no IESB - Centro Universitário, Instituto de Educação Superior de Brasília; na Faculdade Tecnológica Estácio de Sá (MG); na Universidade Presidente Antônio Carlos, UNIPAC Ubá (MG)  e Leopoldina (MG). Atualmente docente do CES/JF - Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora.Profissional com  experiência de quinze anos no mercado de trabalho em Psicologia Organizacional.

Amalia Raquel Pérez-Nebra, UniCEUB - Centro Universitário de Brasília

Professora do curso de mestrado e graduação do UniCEUB - Brasília. Psicóloga e doutora em psicologia social, organizacional e do trabalho pela Universidade de Brasília. Seus interesses são em psicologia social aplicada ao trabalho, organizações, consumidor e suas interações em serviço. 

Titulação mais alta: doutorado

Referências

Anuário Estatístico da Previdência Social (AEAT)/ Ministério da Previdência Social, Brasil. (2012).Brasília: MF/DATAPREV. Retirado de http://www.previdencia.gov.br/estatisticas/aeat-2012/

Anuário Estatístico da Previdência Social (AEAT) / Ministério da Fazenda, Secretaria de

Previdência, Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência (2015). Ano 1 (1988/1992). Brasília: MF/DATAPREV. Retirado de

http://www.previdencia.gov.br/wp-content/uploads/2015/08/AEPS-2015-FINAL.pdf

Balbi, A. L. M. L., & Pérez-Nebra, A. R. (2015). Translation and validation of the inventory of socially supportive behaviors to Brazilian portuguese. XXXV Congresso Interamericano de Psicologia: Apresentação de Trabalho/Comunicação, 2015, Lima.

Bardin, L. (2011). Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 279p. (Obra original publicada em 1977).

Benin, M. M., Lisboa, S. M., Souza, M. A. , & Machado, D. G.(2016). Custos Ocultos: Um Estudo das Características das Publicações em Periódicos Nacionais de Contabilidade. Contabilidade, Gestão e Governança, 19(2), 274-291.

Berkman, L. F., & Syme, S. L. (1979). Social networks, host resistance and mortality: a nine year follows up study of Alameda Country residents. American Journal of Epidemiology, 109 (2), 186-204.

Bowlby, J. (1979). The making and breaking of affectional bonds. In Bowlby, J., The Making and Breaking of Affectional Bonds (pp. 126-160). London, Tavistock Publications.

Calvetti, P. Ü. (2017). Níveis de Ansiedade, Estresse Percebido e Suporte Social em Pessoas que Vivem com HIV/Aids. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 32(4).

Carver, C.S.; Scheier, M.F., & Segerstrom, S.C. (2010). Optimism. Clinical Psychology Review 30, p.p 879–889.

Cobb, S. (1976). Social Support as a Moderator of Life Stress. Psychosomatic Medicine, 38(5), 300-314.

Costello, A. B., & Osborne, J. W. (2005). Best practices in exploratory factor analysis: Four recommendations for getting the most from your analysis. Practical Assessment, Research & Evaluation, Maryland, 10(7), 1-9.

Deutsch, M., & Gerard, H.B. (1955). A study of normative and informational social influence upon individual judgment. Journal of abnormal and social psychology, 51, 629 – 636.

Festinger, L. (1954). A Theory of Social Comparison Processes. Human Relations, 7, 117-140.

Flisch, T. M. P. (2012). Práticas Coletivas de Educação em Saúde na Atenção Primária à Saúde em Contagem, MG. Dissertação (Mestrado em Enfermagem e Saúde), Escola de Enfermagem, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais.

Gassen Balsan, L. A., Dias Lopes, L. F., Nunes Alves, J., Binotto Vizzotto, F., & Medianeira Flores Costa, V. (2016). Impacto do treinamento, comprometimento e entrincheiramento organizacionais em servidores de uma universidade pública. Revista Gestão Universitária na América Latina-GUAL, 9(1).

Griffin, M. A., & Clarke, S. (2011). Stress and well-being at work. In Zedeck, S. (Ed.). APA Handbook of Industrial and Organizational Psychology: Maintaining, Expanding, and Contracting the Organization (Vol. 3, pp.359-397). Washington DC: American Psychological Association.

Guest, D., & Conway, N. (2009). Health and Well-Being: The Role of the Psychological Contract. In Cooper, C. L., Quick, J. C., & Schabracq, M. J. International Handbook of Work and Health Psychology: (Third Edition, pp. 9-23). Singapure: Markono Print Media Pte Lda.

Guimarães, M. C. (2009). Transformações do trabalho e violência psicológica no serviço público brasileiro. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 34(120), 163-171.

Iglesias, F.; Alfinito, S. (2006). A abordagem multi-metodológica em comportamento do consumidor: Dois programas de pesquisa na área de serviços. Rev. Psicol., Organ. Trab.(rPOT), 6, pp.138-165.

Jex; S. M., Swanson, N., & Grubb, P. (2013). Healthy Workplaces. In Schmitt, N. W., & Highhouse, S. (Eds.), Handbook of psychology, Industrial and Organizational Psychology, (vol. 12, 2nd Ed., pp.615-642), Hoboken, NJ: John Wiley & Sons. New York: Routledge.

Lazarus, R. S., & Folkman, S. (1984). Stress, appraisal, e coping. New York: Springer Publishing Company.

Lazarus, R. S., & Folkman, S. (1987). Transactional theory and research on emotions and coping. European Journal of Personality, 1, 141–169.

Leiter, M. P., & Stright, N. (2009). The Social Context of Work Life: Implications for Burnout and Work Engagement. In Cooper, C. L., Quick, J. C., & Schabracq, M. J. (Eds), International Handbook of Work and Health Psychology,(Third Edition, pp. 25-47). Singapure: Markono Print Media Pte Lda.

Martins, V., Costa, L. V., & Siqueira, M. M. M. (2016). O Impacto do Comprometimento Afetivo e do Engajamento no Trabalho sobre os Comportamentos de Cidadania Organizacional. Revista de Administração, Contabilidade e Economia da FUNDACE, 6(2).

Miles, J., & Shevlin, M. (2001). Applying regression and correlation: a guide for students and researchers. London: Sage Publications.

Morgeson, F. P., Garza, A. S., & Campion, M. A. Work Design (2013). Work design. In Schmitt, N. W., & Highhouse, S. (Eds.), Handbook of psychology: Industrial and Organizational Psychology, (vol. 12, 2nd Ed., pp. 525-559), Hoboken, NJ: John Wiley & Sons. New York: Routledge.

Miranda, R. D., Avelino, B. C., & Takamatsu, R. T. (2016). Relação entre satisfação no trabalho e desempenho financeiro das empresas. Contabilidade, Gestão e Governança, 19(3), 336-355.

Moya, M. (2007). Relaciones interpersonales: funciones e inicio. In Morales, J. F., Gaviria, E., Morales, M. C. M., & Guirado, M. I. C. (coords.). Psicologia Social (pp. 333- 358). Espanha: McGraw-Hill.

Olson, M. (1965). The Labor Union and Economic Freedom. In Olson, M. The logic of collective action: Public goods and the Theory of groups. Cambridge, MA: Harvard University Press.

Pais Ribeiro, J.L., & Rodrigues, A.P. (2004). Questões Acerca do Coping: A Propósito do Estudo de Adaptação do Brief Cope. Psicologia, Saúde & Doenças, 5(1), 3-15.

Pais-Ribeiro, J., & Santos, C. (2001). Estudo conservador de adaptação do Ways of Coping Questionnaire a uma amostra e contexto portugueses. Análise Psicológica, 4(XIX), 491-502.

Pasquali, L. (1999). Testes referentes a construto: teoria e modelo de construção. In Pasquali, L. (Org.) Instrumentos psicológicos: manual prático de elaboração (pp.165-198). Brasília: IBAPP.

Pasquali, L.(2005). Análise fatorial para pesquisadores. Brasília: LabPAM.

Pereira, A.S., Motta, E. D.; Vaz, A. L., Pinto, C., Bernardino, O., Melo, A. C.,... Lopes, P. N. (2006). Sucesso e desenvolvimento psicológico no Ensino Superior: Estratégias de intervenção. Análise Psicológica, 1(XXIV), 51-59.

Prieto, F., Peiró, J. Mª., Bravo, M.J., & Caballer, A. (1996). Socialización y desarrollo del rol laboral. In J. Mª. Peiró, & F. Prieto (eds.), Tratado de Psicología del Trabajo, (Spanish Edition) (vol. II, pp. 61 – 100). Madrid: Síntesis.

Ryan, A. M., & Ployhart, R. E. (2013). Customer Service Behavior. In Schmitt, N. W., & Highhouse, S. (Eds.), Handbook of psychology, Industrial and Organizational Psychology, (Vol. 12, 2nd, pp. 470- 492). Ed., Hoboken, NJ: John Wiley & Sons. New York: Routledge.

Savóia, M. G., Santana, P. R., & Mejias, N. P. (1996). Adaptação do Inventário de Estratégias de Coping de Folkman e Lazarus Para o Português. Psicologia USP, São Paulo, 7(1/2), 183-201.

Selye, H. (1998). A Syndrome Produced by Diverse Nocuous Agents. Journal of Neuropsychiatry. Neuropsychiatry Classics, 10(2).

Siqueira, M. M. M. (2005). Esquema mental de reciprocidade e influências sobre afetividade no trabalho. Estudos de Psicologia, Natal,10(1), 2005.

Siqueira, M. M. M. (2008). Construção e validação da Escala de Percepção de Suporte Social. Psicologia em Estudo, Maringá,13(2), 381-388.

Siqueira, M. M. M., & Gomide Jr., S. (2008). Suporte no trabalho. In Siqueira, M. M. M. e cols. Medidas do Comportamento Organizacional: Ferramentas de Diagnóstico e de Gestão, (pp. 283-294). Porto Alegre: Artmed.

Sonnentag, S., & Frese, M. (2003). Stress in Organizations. In Borman, W. C., Ilgen, D. R., Klimoski, R. J., & Weiner, I. Handbook of Psychology, Industrial and Organizational Psychology (Vol. 12, p. 453 – 491). New Jersey: John Wiley & Sons, Inc.

Sonnentag, S., & Frese, M. (2013). Stress in Organizations. In Weiner, I. B. (Series Ed.), Schmitt, N. W.; Highhouse, S. (Eds.), Handbook of psychology, Industrial and Organizational Psychology, (Vol. 12,2 nd., p. 560-592). Ed., Hoboken, NJ: John Wiley & Sons. New York: Routledge.

Steg, L., & Rothengatter, T. (2017). Introduction to applied social psychology. In: Steg, L., & Rothengatter, T. (Eds.). (2017). Applied social psychology. Cambridge University Press. Cap. 1, pp. 1-26.

Stroebe, M., Schut, H., & Boerner, K. (2017). Cautioning health-care professionals: Bereaved persons are misguided through the stages of grief. OMEGA-Journal of Death and Dying, 74(4), 455-473.

Stroebe, W., & Stroebe, M. (1996). The Social Psychology of Social Support. In Higgins, E. T. (Ed); Kruglanski, A. W. (Ed.). Social psychology: Handbook of basic principles, (p. 597-621). New York, NY, US: Guilford Press.

Tamayo, M. R. (2002). Burnout: relações com afetividade negativa, no coping no trabalho e a percepção de suporte organizacional. Tese (doutorado). Universidade de Brasília, Brasília, DF.

Tamayo, M. R.; Tróccoli, B. T. (2002). Exaustão emocional: relações com a percepção de suporte organizacional e com as estratégias de coping no trabalho. Estudos de Psicologia,7( p. 37-46).

Taylor, S. E. (2010). Health. In Fiske, S. T., Gilbert, D. T., & Lindzey, G. (Eds) Handbook of Social Psychology, 5(1). New York: Wiley.

Thoits, P. A. (2011). Mechanisms Linking Social Ties and Support to Physical and Mental Health. Journal of Health and Social Behavior, 52(2), 145-161.

Uchino, B. N., Cacioppo, J. T., & Kiecolt-Glaser, J. K. (1996). The Relationship Between Social Support and Physiological Processes: A Review With Emphasis on Underlying Mechanisms and Implications for Health. Psychological Bulletin,119(3), 488-531.

Westman, M., & Chen, S. (2017). Crossover of Burnout and Engagement from Manageres to Followers. In: Cooper, C. L., & Quick, J. C. (Eds.). (2017). The Handbook of Stress and Health: A Guide to Research and Practice. John Wiley & Sons. Cap, 14, pp. 236-248.

Downloads

Publicado

2017-12-18

Como Citar

Andrade, V. L. P. de, & Pérez-Nebra, A. R. (2017). Suporte Social e Estresse no Trabalho: Uma Análise com Métodos Mistos. Journal of Accounting, Management and Governance, 20(3), 442–462. https://doi.org/10.51341/1984-3925_2017v20n3a7

Edição

Seção

Artigos